Make your own free website on Tripod.com

GOVERNADOR VALADARES
ASPECTOS FÍSICOS
Home
LOCALIZAÇÃO
ASPECTOS FÍSICOS
FOTOS DE GV
FOTOS DE GV
Contate-me

ASPECTOS FÍSICOS

CARACTERIZAÇÃO TOPOGRÁFICA
Governador Valadares situa-se na Depressão do Rio Doce e apresenta um relevo que pode ser considerado segundo três compartimentações:
plano - 15,0%;
ondulado - 60,0%;
montanhoso - 25,0%.
O município apresenta uma topografia caracterizada pela dominância de relevo colinoso, com níveis altimétricos compreendidos entre 191 metros (foz do Ribeirão Santa Helena) e 1 008 metros (cabeceira do Córrego Bananal), em relação ao nível do mar.

CLIMA
O clima da região de Governador Valadares é classificado, segundo KÖPPEN, como do tipo AW - tropical subquente e subseco. Esta categoria é marcada por uma estação seca bem acentuada, coincidindo com o inverno. As médias térmicas anuais mostram-se em torno de 25,6°C, com máximas de 23,7°C e mínimas de 18,3°C.
O índice médio pluviométrico é da ordem de 1 350 mm. O período tipicamente chuvoso compreende os meses de novembro a março.

HIDROGRAFIA
O principal curso de água que banha o município analisado é o Rio Doce, cuja bacia (de 83 500 Km quadrados) é composta por 222 municípios, sendo 203 pertencentes ao Estado de Minas Gerais e o restante, ao Espírito Santo.
Nos dias atuais, suas águas encontram-se com elevada turbidez e altos índices de poluição, além de apresentarem fraca presença de vegetação nas margens, ao longo do trecho urbano, e escassez de peixes.
Outros cursos de água que merecem menção são os rios Suaçuí Grande, Suaçuí Pequeno e Corrente, todos afluentes da margem esquerda do Rio Doce; os ribeirões Traíras, do Bugre e do Onça, além do córrego Figueirinha, que atravessa a sede urbana, atualmente com altos índices de poluição.

COBERTURA VEGETAL
A área de Governador Valadares insere-se nos ecossistemas da Região das Florestas Estacionais Semideciduais. Eles compreendem uma faixa territorial de sentido nordeste/sudeste, localizando-se mais precisamente entre a Floresta Atlântica-Pinheirais e os cerrados. São de ocupação antiga e complexos, inclusive porque neles se mesclam atividades tipicamente urbano-industriais com agrícolas e pecuárias.
No passado, a Mata Atlântica contribuiu para a exuberância da paisagem natural do município de Governador Valadares. Contudo, nos anos de 1940 a 1965, a região experimentou o auge do ciclo madeireiro, como se verá mais adiante, que culminou com a substituição de espécies nativas pelas pastagens de capim colonião, capim gordura e, mais recentemente, de brachiaria.
É na área de proteção ambiental, aí existente, que podem ser encontradas algumas das espécies nativas de considerável beleza e valor econômico, a saber jacarandá, jequitibá, ipê amarelo, maria rosa e figueira do Rio Doce.

ASPECTOS GEOLÓGICOS, SOLOS E RECURSOS MINERAIS
Geologicamente, sabe-se que no município de Governador Valadares é verificada a predominância de rochas do grupo Rio Doce, principalmente das formações São Tomé e Figueira, onde se destacam gnaisses listrados finos ou facóides de diversas variedades texturais ou mineralógicas, além de quartizitos (...) e anfibolitos (...). Algumas lentes de xistos biotíticos ocorrem esparsadamente em todo o município.
Próximo ao pico do Ibituruna, a montanha mais elevada da região, existe uma zona de contato onde se reconhecem não só diversos tipos de migmatização como também se verifica que este granito, levemente colorido, que constitui a referida elevação, corta as rochas da formação Figueira. Este granito é denominado por A.L.M. Barbosa de Granito Ibituruna, devido ao fato de formar o pico de mesmo nome.
Os grupos de solo dominantes na região são os latossolos e os podzólicos.
Quanto à produção mineral, o município analisado, inserido na Província Pegmatítica Brasileira (porção oriental), pode ser considerado um importante centro de produção e comercialização de pedras preciosas. Além das gemas, a área produz outros minerais industriais, tais como feldspato, cassiterita, berilo, caulim, quartzo, mica, pegmatitos, turmalinas, águas marinhas, esmeraldas, alexandrita, rubelita e diversas outras pedras coradas.

VISTA AÉREA DA CIDADE COM O PICO DO IBITURUNA À DIREITA

VISTA AÉREA DA CIDADE COM RIO DOCE

VISTA AÉREA DE GV

PICO DO IBITURUNA E PONTE DA BR-116 SOBRE O RIO DOCE

VISTA DO ALTO DO PICO DO IBITURUNA

PORTAL GV